Cuidados odontológicos na UTI podem reduzir risco de morte

Monitor in hospital ward showing bmp from patient, laying in bed with oxymeter attached on finger, discussing with doctor and nurse about recovery treatment.

A cavidade bucal é uma das principais portas de entrada de vírus, bactérias e outros microrganismos no corpo humano. Pesquisadores da Faculdade de Medicina (FMRP) e da Escola de Enfermagem (EERP), ambas da USP em Ribeirão Preto, comprovaram que a adequada higiene bucal associada ao tratamento odontológico de pacientes internados em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) pode reduzir o risco de morte durante a hospitalização.

O estudo foi realizado em duas UTIs do Hospital das Clínicas da FMRP, sendo uma delas uma UTI geral clínico-cirúrgica, que recebe pacientes com doenças crônicas descompensadas ou em pós-operatório, e outra uma UTI especializada em emergências, que atende pacientes que sofreram politraumatismo ou infecções graves.

A intervenção odontológica foi realizada em 2019 e a análise comparativa dos dados retroativos foi de 2016, 2017 e 2018 nas mesmas unidades. “É um tipo de pesquisa que avalia se a implementação de uma intervenção modifica a tendência de um desfecho de interesse, comparativamente ao observado anteriormente à implementação da intervenção, na mesma população”, explica Wanessa Teixeira Bellissimo Rodrigues, dentista com pós-doutorado pela FMRP.

“Na UTI clínico-cirúrgica, a mortalidade caiu de 36,28% para 28,52% após a intervenção, o que significa uma redução relativa de 21,4%. Entretanto, essa queda não foi uniforme entre as unidades, já que na UTI de emergência a redução não foi estatisticamente significativa”, explica Wanessa. Os pesquisadores apontam que uma possível explicação para a diferença dos resultados entre as UTIs de estudo esteja na diferença do perfil dos pacientes atendidos.

Fonte: Jornal da USP